Notícias

Conheça as máquinas usadas na produção de arroz

Até chegar na mesa do consumidor, o arroz passa por vários processos que, hoje em dia, são feitos em sua maioria de forma automatizada, com tecnologias de última geração. As máquinas usadas na produção de arroz possuem diferentes funções, buscando sempre oferecer uma integralidade maior dos grãos. 

Antes de você conhecer os modelos que utilizamos na fabricação do nosso arroz, vamos dar um panorama geral sobre os processos pelos quais o grão passa, desde a preparação do solo, e os tipos de máquinas mais utilizados na produção e na colheita. 

A trajetória do arroz

O cultivo do arroz irrigado, muito comum no Sul do Brasil, contribui para mais de 50% da produção nacional. As etapas do cultivo do arroz envolvem nivelamento, alagamento, formação da lama, alisamento e abertura dos valos para drenagem. 

Na sequência, acontece a semeadura, seguida pelo controle das ervas-daninhas com uso de herbicidas e a adubação de cobertura, estratégia comum para manter o nível de nutrientes no solo durante o desenvolvimento da lavoura. A partir daí, as máquinas tomam conta com o início da colheita. 

As máquinas utilizadas na produção de arroz

O arroz é um dos alimentos mais simples de se preparar, em 20 minutos está pronto para ir à mesa. No entanto, seu processo, desde a colheita, é detalhado e relativamente lento se comparada à de outro grão, como o feijão, por exemplo, em que é aconselhável que as sementes sejam secadas, beneficiadas, fumigadas e armazenadas no prazo mais curto possível.

Os grãos de arroz levam três dias para passarem pela parboilização e estarem prontos para o consumo, em um processo que envolve limpeza, secagem, seleção e empacotamento. Além disso, o arroz pode ficar guardado em silo por até dois anos.

Para o processo de colheita e seleção dos grãos, existem máquinas que variam de acordo com o tamanho da lavoura. Para plantações de menor porte, as ceifadoras e trilhadoras são mais adequadas, pelo custo-benefício. 

As ceifadoras são responsáveis pelo corte das plantas no solo e possuem um depósito na parte de trás, para as plantas serem descarregadas no campo de forma intermitente. Já as trilhadoras fazem a separação dos grãos das panículas do arroz.

Para as lavouras maiores, existem as colhedoras, que possuem os sistemas de corte, recolhimento, trilha, separação, limpeza e armazenamento na mesma máquina. Também existem as selecionadoras ópticas, que atuam depois de todos esses processos, com a missão de detectar e remover defeitos típicos dos grãos, como: grãos pretos, gessados, manchados, outros problemas de cor, além de materiais estranhos, permitindo que o  arroz alcance o mais alto padrão de qualidade.

Os principais modelos utilizados pela São João Alimentos

Agora que você já é quase um expert no assunto, que tal ficar um pouco mais por dentro dos processos que a São João Alimentos utiliza na produção do nosso arroz?

Descascador com câmara de aspiração de casca

Desenvolvido com a função de descascar o arroz em casca, com rendimento médio de 92%. O arroz descascado, a casca e o volume não descascado são separados na câmara de aspiração, instalada abaixo do descascador.

Peneira rotativa com porta

Compacta e robusta, serve para classificar os grãos de arroz beneficiado por tamanho, com alta eficiência. Seu conjunto de malhas e os movimentos rotativos são capazes de obter quatro tamanhos de grãos. 

Separador de Marinheiros 

Nosso modelo é compacto e tem uma capacidade otimizada de produção, não ocupando muito espaço. O equipamento separa os grãos com casca misturados nos grãos de arroz descascado. Todas as variedades de arroz, como grãos longos, médios e curtos, podem ser classificadas com facilidade e precisão com esse equipamento. 

Separador de Pedras

Com uma estrutura fechada, para evitar contaminação do ambiente e vazamento, o equipamento separa pedras pequenas e mais pesadas que os grãos de arroz ou feijão. 

Brunidor vertical para arroz

Equipamento que age com grande eficiência no polimento dos grãos de arroz, com baixo índice de quebra e que permite regular o grau de brancura. 

SORTEX S UltraVision

A SORTEX S UltraVision é um selecionadora óptica de arroz para variedades cruas, parboilizadas e vaporizadas. Ela possui inteligência artificial, tem capacidade de aprendizado e pode classificar até 18 t/h. Remove defeitos de cor e materiais estranhos, incluindo vidro.

Seu sistema operacional permite alterar facilmente as configurações da selecionadora, sem a necessidade de programações complexas. Basta escolher o defeito e usar o controle deslizante para ajustar a quantidade a ser removida. Além disso, analisa as variações de cor e materiais estranhos dos grãos recebidos e ajusta automaticamente seu sistema de detecção para garantir o desempenho ideal o tempo todo.

Ela também examina cada grão e o classifica com precisão como aceito ou rejeitado, minimizando a reclassificação de grãos não classificados. Esta precisão reduz o consumo de energia, o desgaste dos ejetores e o tempo de parada devido ao acúmulo de grãos.

SORTEX B

A selecionadora óptica SORTEX B é adequada para classificar arroz, café, grãos, sementes, nozes e plásticos. Ela detecta defeitos na cor clara e escura e classifica até 8 toneladas por hora por bandeja.

Ela é equipada com câmeras de alta resolução para detectar cores claras ou escuras. Isso ajuda a remover defeitos na cor ou materiais estranhos, permitindo a entrega de uma qualidade consistente de produto.

Gostou de saber um pouco mais sobre a tecnologia empregada no nosso plantio? Então continue acompanhando o nosso blog. Aproveite para seguir também o nosso perfil no LinkedIn e ficar por dentro de tudo.